segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

A Música no Período do Império (1822-1889)

            O período conhecido como Império corresponde ao que conhecemos como Romantismo Brasileiro nas artes. Nesse período, estabilizou-se a política brasileira, possibilitando a intensificação da vida cultural, de que se beneficiou o momento musical.
            Campahias italianas deixam aqui músicos e instrumentos. Não só no Rio de Janeiro, mas também na Bahia e Recife eram recebidas com entusiasmo. Sociedades musicais foram fundadas em todo território nacional para difundir a música sinfônica e de câmera. Os concertos eram numerosos, não apenas de virtuosos estrangeiros; os jornais ja começavam a destacar-se, muitos instrumentistas estrangeiros ficavam aqui como professores. Os instrumentistas de sopro se originaram como nossos hábeis flautistas, cantavam-se modinhas, lundus, landainhas, cantigas de roda, fios, que de Portugal se espalharam por todo Brasil, hoje mantidos principalmente no Nordeste.
          
         A figura central nestes tempos, foi Francisco Manuel da Silva, discípulo do Padre José Maurício e sucessor de seu mestre na Capela. Apesar de ser compositor de escassos recursos, merece crédito por sua importante atividade organizadora, fundando o Conservatório de Música do Rio de Janeiro e sendo o regente do Teatro Lírico Fluminense e depois da Ópera Nacional. Também foi o autor do Hino Nacional Brasileiro. Sua obra refletiu a transição do gosto musical para o Romantismo, quando o interesse dos compositores nacionais recaiu principalmente sobre a ópera. Neste campo a maior figura foi sem dúvida Antônio Carlos Gomes, que compôs óperas com temas nacionalistas, mas com estética européia, tais como Il Guarany e Lo Schiavo, que conquistaram sucesso em teatros europeus exigentes como o La Scala, em Milão.


Com a Independência, em 1822, nasce o Brasil como nação, já que anteriormente o país era colônia portuguesa. Nesta época, surgiram movimentos de renovação das artes. Impulsionados pelo Romantismo europeu, pintores, escritores, músicos e dramaturgos retratavam o Brasil e suas origens. Deste movimento, surge o Indianismo, cuja obra mais conhecida é  o Guarani, de José de Alencar (CE, 1829-1877).

       A figura de maior destaque, na ópera brasileira, é Carlos Gomes (1836-1896). Nascido em Campinas, e patrocinado por Dom Pedro II, obteve grande prestígio na Itália. Posteriormente, voltou ao Brasil e, por ter sido apoiado pelo Imperador, sofreu represálias dos republicanos.
Sem espaço na capital, transferiu-se para Belém do Pará, onde dirigiu o Conservatório de Música local.

        A segunda metade do século XIX também é o período de florescimento de vários gêneros populares. Entre os mais importantes, está o maxixe, considerado por muitos autores como o primeiro gênero musical genuinamente brasileiro.
Chiquinha Gonzaga (RJ, 1847-1935) é umadas grandes desta época.
     
Em Breve voltaremos a postar outros textos relacionados a Música Brasileira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário